Epilepsia

Entenda melhor o que é e quais as principais causas desse distúrbio

Artigo publicado por Roberto Magalhães nas categorias: Doenças

Diminuidor

A Epilepsia é uma síndrome também conhecida como crise convulsiva que atinge milhões de pessoas. O paciente com Epilepsia sofre com a hiperexcitabilidade das células cerebrais que levam aos ataques de convulsões. As principais causas para esse tipo de distúrbio podem ser lesões no cérebro, infecções como meningite, neurocisticercose, abuso de bebidas alcoólicas ou o uso de drogas. Trata-se de uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro e suas consequências variam de acordo com cada tipo de quadro. Se a Epilepsia for causada por uma lesão cerebral, por exemplo, os sintomas e consequências dependerão do tamanho e do tipo da lesão.

exame de epilepsia

Sintomas

Os ataques que ocorrem durante a crise pode fazer com que a pessoa acometida por esse problema caia no chão, tenha fortes contrações musculares, mordam a língua, respiração ofegante e salivação intensa. Há dois tipos de crises epilépticas, uma mais leve e outra mais grave. Na crise mais grave, o paciente não tem controle dos próprios atos e faz movimentos involuntários e apresenta fala de maneira incompreensível. Em geral, nos dois casos, o paciente não se recorda do que aconteceu durante a crise. A Epilepsia não é contagiosa.

Diagnóstico

ondas cerebrais

O diagnóstico de Epilepsia deve ser feito levando-se em conta o histórico do paciente. Pacientes que tiverem ataques recorrentes dentro de vinte e quatro horas devem receber atendimento e acompanhamento médico. Para o diagnóstico seguro também e importante certificar-se que o paciente não teve esse problema devido ao consumo de alguma substância tóxica ou como efeito de alguma outra doença.

O relato de pessoas que presenciaram as crises do paciente também podem servir de ferramentas para finalizar o diagnóstico do distúrbio. O quanto antes for diagnosticada a doença, menor serão as consequências para a vida do paciente, portanto logo que se perceber ataques regulares de convulsões é necessário procurar um médico de sua confiança.

Prevenção

Para se prevenir da Epilepsia deve-se, principalmente, evitar lesões graves na cabeça, Se sofrer alguma pancada ou batida forte na região da cabeça, deve-se imediatamente procurar o atendimento médico hospitalar. Outro fator que ajuda na prevenção é evitar o uso de medicamentos sem prescrição médica. A vacinação contra doenças infecciosas também podem prevenir problemas com esse distúrbio.

Tratamento

O tratamento contra a Epilepsia é feito basicamente com o uso de medicamentos. Não existe cura para a Epilepsia, mas os remédios bloqueiam, ou reduzem, as crises e suas consequências. É importante ressaltar que o paciente diagnosticado com a Epilepsia deverá fazer o uso contínuo e regular da medicação para evitar que as crises voltem com mais força.

Além do uso da medicação é importante, sempre, o acompanhamento médico do paciente. Vale lembrar que os remédios que contém drogas anticonvulsivas apenas controlam as crises, não curam. É possível que tais remédios apresentem efeitos colaterais diversos, portanto é importante ficar atento para perceber o que é efeito do remédio e o que é consequência de um ataque epiléptico.

Em casos mais graves, quando o remédio se mostra incapaz de bloquear as descargas elétricas cerebrais anormais que originam os ataques epilépticos é necessária a intervenção cirúrgica.

Diminuidor

Comente!




*Campos obrigatórios

Os artigos desse site contém informações baseadas em pesquisas, estudos, consultas, experiências pessoais e livros. Deve-se sempre consultar um médico antes de tomar qualquer medida.